Clubes escolhem oferta de R$ 637 mi pelo Brasileiro por contrato mais curto


Os clubes da Série A escolheram a proposta da Sport Promotion/Ecotone como vencedora da concorrência realizada pela CBF pelos direitos do Brasileiro no exterior. O valor é de US$ 42 milhões (R$ 159 milhões) por ano, com uma duração de total de quatro anos. Foi rejeitada uma proposta maior do fundo Prudent de R$ 230 milhões por ano (R$ 2,3 bilhões) porque incluía um prazo de dez anos considerado longo demais pelos clubes, além de exigências extras sobre assinatura e exclusividade.

O contrato com a Sport Promotion/Ecotone ainda não está fechado. Os clubes e a CBF esperam pagamentos de valores e garantias finais. Além disso, todos precisam assinar. Caso ocorra algum problema no pagamento, como ocorreu com a BR Foot, o fundo Prudent pode ser chamado novamente para a mesa, mas isso parece improvável neste momento.

A Sport Promotion já tinha levado a concorrência de placas do Brasileiro, também feita pelos clubes e pela CBF. Desta vez, contou com o apoio financeiro da Ecotone, que é um grupo estrangeiro, para fechar a oferta do Brasileiro por quatro anos. Chegou a fazer uma proposta por dez anos – de US$ 460 milhões – que também foi rejeitada pelo prazo.

A Sport Promotion já teve diversos contratos com a Federação Paulista de Futebol ou em projetos da CBF nas gestões do ex-presidente da confederação Marco Polo Del Nero. Entre elas, está um convênio com o Estado de São Paulo em que houve indícios de fraude como noticiou o blog “Olha Olímpico”, do UOL. Houve um inquérito da polícia civil que foi arquivado.

A CBF, no entanto, não teve palavra final na concorrência. Foram os clubes que definiram o vencedor da licitação. Entre os motivos que levaram a maioria dos clubes a escolher a Sportpromotion:

1)A oferta da Prudent era de um contrato de 10 anos considerado muito longo. A avaliação de dirigentes de times é de que o Brasileiro estará mais valioso em quatro anos e pode-se obter proposta superior. No mercado, acordos de três ou quatro anos são mais comuns.

2)Exigência de assinatura não só dos presidentes de clubes, mas aprovação de Conselhos Deliberativos para o pagamento. Clubes entenderam que isso poderia atrasar os pagamentos.

3)Havia uma exigência de exclusividade do fundo Prudent nas transmissões no exterior a partir de 2025 quando se encerram os contratos dos clubes com a Globo.

4) Presença do empresário Hélio Viana como representante da Prudent em uma reunião dos clubes causou certo constrangimento. Hélio foi representante da empresa ISL em antigos acordos com Flamengo e Grêmio. As parcerias que fracassaram e geram suspeitas de desvio de recursos – a ISL faliu e admitiu pagar propinas a executivos da Fifa. Isso pesou contra o executivo.

Na quinta-feira, o presidente do Conselho Deliberativo do Athletico, Mario Celso Petraglia, que defendia a proposta da Prudent, se retirou da comissão de clubes após perceber que esta não venceria. Ficou bastante contrariado pelos clubes terem aceito a proposta que tinha valores inferiores a do fundo. Procurado pelo blog, ele disse que não gostaria de falar sobre o assunto.

Na sexta-feira, a comissão de clubes se definiu pela proposta da Sport Promotion. Caso o contrato com a empresa seja assinado e confirmado, a divisão de valores será igualitária entre os 20 clubes da Série A, com 10% destinado para a Série B. Assim, seriam R$ 7,2 milhões por ano por clube.

Fonte: Blog do Rodrigo Mattos – UOL

Cartola FC: Liga Oficial Vascaínos Unidos
Participe: Grupo de Debates no Facebook
Curta: Fan Page VU no Facebook
Seja Sócio Gigante. Confira os novos planos!

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠