Do acidente com ônibus do time sub-17 em 2017 à final da Copa São Paulo, veja o que mudou na base do Vasco


Quando o ônibus do time sub-17 do Vasco perdeu o controle numa ladeira em maio de 2017 e tombou na estrada no município de Cachoeiras de Macacu, na Região Metropolitana do Rio, a situação deplorável das divisões de base do clube ficou nítida. O acidente deixou 22 feridos, seis hospitalizados e sintetizou o sucateamento das condições de trabalho para garotos e profissionais. Nesta sexta, um ano e oito meses depois, o time sub-20 disputa contra o São Paulo, no Pacaembu, a decisão da Copa São Paulo de futebol júnior, competição de base mais importante do país. Fica uma pergunta: o que mudou tanto do acidente para cá?

Tanto a gestão de Eurico Miranda quanto a de Alexandre Campello tentam capitalizar em cima do desempenho dos garotos na Copa São Paulo, ambas com seus motivos. Para Carlos Brazil, atual gerente das categorias de base de São Januário, havia pontos positivos no trabalho anterior, mas enumera algumas mudanças.

Segundo ele, o número de analistas de desempenho nas categorias de base deu um salto: do sub-11 ao sub-20, eram três. Agora, o Vasco conta com um para cada “safra” até o sub-17, e mais um para os juniores. Cada ano também ganhou uma comissão técnica própria. A equipe de captação de talentos multiplicou – eram três pessoas no Rio. Agora são nove no estado e outros cinco espalhados pelo país. Na Copinha, 15 pessoas foram destacadas para acompanhar os jogos. A partir das observações, o clube abriu negociação com nove promessas que se destacaram na competição.

– Sinceramente, esse resultado não nos surpreende. Desde que assumimos, montamos um projeto com esses jogadores – afirmou Brazil – Praticamente todos eles têm uma história longa no Vasco. Isso mostra como a captação anterior, à sua maneira, também funcionava.

Neste trabalho de reformulação dos profissionais, Carlos Brazil trocou o técnico do sub-20 ano passado. Marcus Alexandre deu lugar a Marcos Valadares, e o substituído está na torcida pelo título de hoje. Do time titular, somente Tiago Reis não trabalhou com ele. De longe, ele vê o resultado que não conseguiu alcançar bater à porta e elogia a atual gestão.

– Antigamente, cada gestão interrompia o ciclo de formação. O trabalho foi continuado, eles trocaram os profissionais, mas seguiram o caminho que estávamos traçando – afirmou o antecessor, Marcus Alexandre.

Ele assumiu o sub-20 na gestão Eurico Miranda. Depois que assumiu, em 2015, o ex-presidente reformou os alojamentos de São Januário, devolveu o centro de treinamento de Itaguaí ao empresário Pedrinho Vicençote, fez a base voltar a frequentar a escola de São Januário. O campo anexo foi construído e ainda tem servido aos jogadores mais jovens, mas o transporte dos garotos foi negligenciado. Do time que disputa a final hoje, Caio Lopes e Bruno Gomes estão entre os feridos com maior gravidade no acidente de 2017.

– Esse episódio me lembra que são duas situações que podemos pontuar: na base, temos a responsabilidade de formar jogadores. Mas com as vidas, temos de formar o ser humano. Nem todos os meninos vão se tornar jogadores profissionais – afirmou Alexandre.

ESTRUTURA AINDA É PROBLEMA

Atualmente, o Vasco não confia tão cegamente a vida de seus jogadores da base aos ônibus que tem à disposição em São Januário. Carlos Brazil conta que muitas vezes o transporte dos atletas acontece em transporte alugado pelo clube. Os deslocamentos são constantes, muitos em longa distância.

A preocupação com a locomoção só acontece nesse grau porque alguns problemas de estrutura de trabalho rondam os meninos, independentemente de quem está à frente do clube. A base vascaína continua sem um centro de treinamento próprio, com os espaços de treino e de recuperação física e clínica separados, sem a sonhada integração espacial entre jovens e o time profissional.

A ida dos profissionais para o CT das Vargens desafogou São Januário para a base, mas a solução ainda não é a ideal, admite Brazil. Atualmente, os meninos do sub-20 revezam em treinos no campo anexo de São Januário, no centro de treinamento do Artsul, em Nova Iguaçu, ou na Barra da Tijuca.

– Eu conheço as estruturas do Brasil, sei que existem estruturas melhores. Dentro da medida do possível, estamos sendo bem atendidos. Ninguém pode reclamar. O resultado está aí, dando frutos. E acredito que vamos melhorar ainda mais. Isso é um processo, não acontece da noite para o dia – concluiu Carlos Brazil.

Fonte: O Globo Online

Cartola FC: Liga Oficial Vascaínos Unidos
Participe: Grupo de Debates no Facebook
Curta: Fan Page VU no Facebook
Seja Sócio Gigante. Confira os novos planos!

✠ ✠ ✠ Escreva um comentário ✠ ✠ ✠