Dirigentes do Internacional se revoltam com arbitragem do jogo contra o Vasco

Marcelo Medeiros ficou inconformado pelo segundo jogo seguido

Assim que o árbitro Igor Benevenuto apita o fim da partida em São Januário, imediatamente os colorados disparam na direção do juiz, na noite desta sexta-feira, em São Januário. Esbravejam pela marcação do pênalti polêmico de Víctor Cuesta em Kelvin aos 44 minutos do segundo tempo, em lance capital que resultou o empate em 1 a 1 do Inter contra o Vasco. E que resultou na ira dos jogadores e dirigentes gaúchos.

A revolta de atletas e da comissão técnica após o empate ainda rendeu a expulsão de Edenílson. Mas era apenas o prenúncio da ira enraizada a níveis institucionais no Inter com as decisões do juiz da partida. E que foi externada pela diretoria do clube nos microfones.

O primeiro a se posicionar em frente às câmeras foi o vice de futebol Roberto Melo. Em tom alterado, o dirigente deixou o inconformismo transparecer logo na primeira resposta.

“O que eu tenho vontade de falar, talvez não possa. O que dá para falar é que é uma vergonha o que está acontecendo. É um sentimento de nojo, de raiva, por tudo que está acontecendo. O que aconteceu hoje, no Beira-Rio contra o Santos, e no próximo, e no próximo… É difícil entender.” (Roberto Melo).

O dirigente foi além em sua fúria com as decisões recentes da arbitragem contra o Inter. Dada a badalação do confronto direto na ponta de cima da tabela entre Flamengo e Palmeiras, neste sábado, no Maracanã, Melo sugeriu que a taça do campeonato seja entregue ao vencedor. E sugeriu, com ironia, que seja acrescentado no regulamento que o Colorado não pode ser campeão.

– A gente passou o dia ouvindo programas que falavam que a final do campeonato era amanhã (sábado). Talvez seja. Tudo indica isso. Depois de terminado o jogo, a quem vencer, se entregue a taça. Eu sugeriria que se colocasse no regulamento do campeonato que o Internacional não pode ser campeão. E também que o time que vem da Série B não seja campeão. No início do ano, perguntei na CBF por que nossa tabela era tão dura no começo. Me disseram que para os clubes da Série B é mais difícil. Não tinha fundamento a explicação – disse Melo.

– É muito difícil entrar no vestiário e dizer para meu técnico e meus jogadores que ainda dá. Tem muitas coisas estranhas acontecendo. Se é mais bacana, dá mais Ibope Palmeiras e Flamengo disputarem o campeonato, legal. É difícil um time de Porto Alegre, do Nordeste, ser campeão. Sugiro também que se faça um campeonato só com times do Rio e de São Paulo – emendou.

Roberto Melo citou até o Campeonato Brasileiro de 2005, que permeia o imaginário colorado pela inconformidade de uma estrela “ausente” na camiseta. Naquele ano, o Inter fez uma campanha irretocável e estava perto de conquistar o tetra, não fosse prejudicado pelo escândalo da Máfia do Apito, que fez 11 jogos serem anulados após interferências dos árbitros Edilson Pereira e Paulo José Danelon. O Corinthians foi o campeão.

– Todos se sentem lesados. Todos se sentem quase que, nesse momento, incapazes de conquistar aquilo que a gente luta tanto. O Inter não pode mais… Em 2005 também teve. Não sei mais o que pode acontecer para evitar que a gente seja campeão ou dispute o campeonato até o final – afirmou.

A fúria dos colorados tem a ver com todo o lance que resultou no pênalti cometido por Víctor Cuesta em Kelvin e convertido por Maxi López. Ainda à beira do campo, Odair reclamou de falta de Werley em Nico López na origem da jogada.

A revolta, porém, começa ainda na segunda-feira, no empate em 2 a 2 do Inter com o Santos, no Beira-Rio. Os colorados reclamaram da demora de Ricardo Marques Ribeiro, que levou cinco minutos para assinalar impedimento e anular gol de Leandro Damião quando o jogo estava empatado em 1 a 1. O clube até já acionou a CBF com uma queixa formal pela arbitragem da partida.

Presidente diz que arbitragem “suja história”

Pelo segundo jogo consecutivo, o presidente Marcelo Medeiros quebrou o protocolo do clube e se manifestou após a partida – algo pouco usual. Inconformado, o mandatário disse que a partida desta sexta “violenta” o futebol brasileiro. E garantiu que irá se mobilizar para que seja utilizado o recurso de vídeo nas rodadas finais do Brasileirão.

– Esse fato suja a história do Vasco, a história deste estádio e violenta o futebol brasileiro. A reclamação não é só do inter. Futebol brasileiro não pode mais viver sem VAR. É preferível que não se tenha esse monte de árbitro dentro de campo. O Inter vai liderar, sim. A partir de amanhã (sábado), vou procurar todos os presidentes dos 20 clubes da Sèrie A para que assinemos um documento e se utilize o VAR nas últimas rodadas – disse o mandatário.

Inter não joga a toalha por título

Após o 1 a 1, o Inter pode ver o Palmeiras abrir sete pontos de vantagem, em caso de vitória sobre o Flamengo. Mas a distância também pode cair para quatro pontos, em caso de triunfo dos cariocas. Projeções à parte, o clube se mobiliza para não jogar a toalha.

– Mesmo sendo muito difícil, a gente não vai se entregar. É isso que alguns querem. O pênalti é uma vergonha. O Brasil todo está dizendo que não foi. Depois de uma partida dura, o juiz me dá aquele pênalti. Fica difícil fazer futebol assim. Eles podem fazer o que quiserem, mas a gente não vai desistir – diz Melo.

Com o empate, o Inter chega a 58 pontos e mantém a terceira colocação. A equipe, porém, pode ver o líder Palmeiras abrir sete pontos de vantagem, caso vença o Flamengo no Maracanã. O Colorado volta a campo apenas no domingo, 4 de novembro, às 19h, quando recebe o Atlético-PR no Beira-Rio, em partida pela 32ª rodada do Brasileirão.

Fonte: GloboEsporte.com

== Escreva um comentário ==

Cartola FC: Liga Oficial Vascaínos Unidos
Participe: Grupo de Debates no Facebook
Curta: Fan Page VU no Facebook
Seja Sócio Torcedor Gigante. Confira os novos planos!