Polêmica que se repete: relembre jogos em que houve suspeita de interferência

Foram dois minutos e vinte segundos do momento em que o árbitro Paulo H Schleich Vollkopf, do Mato Grosso do Sul, marcou pênalti de Everton em Diego Tavares durante Avaí 1 x 1 Flamengo, neste domingo, na Ressacada, e depois anulou a marcação. Parece pouco tempo, mas para o futebol é uma vida. Tanto que gerou muitas reclamações do time da casa. Para muitos, houve interferência externa no lance, o que é proibido pela Fifa. O chefe da comissão de arbitragem da CBF, coronel Marcos Marinho, não hesitou em dizer que não houve interferência externa para que a decisão inicial fosse alterada.

Não é a primeira vez que o assunto aparece no futebol brasileiro. O GloboEsporte.com listou outros casos em que houve suspeita de informações terem chegado de fora para o trio de arbitragem.

2016 – Flamengo x Fluminense

O clássico realizado no ano passado, em Volta Redonda, teve grande confusão após o gol de Henrique que seria do empate tricolor aos 39 minutos do segundo tempo (assista no vídeo abaixo). O Flu reclamou que o árbitro tomou a decisão de anular o gol após interferência externa.

2012 – Internacional x Palmeiras

Pelo Palmeiras, Barcos marcou com a mão contra o Inter. O árbitro Francisco Carlos Nascimento deu o gol e depois voltou atrás. O STJD chegou a suspender os pontos do jogo, que teve triunfo colorado por 2 a 1.

2015 – Chapecoense x Fluminense

O Fluminense reclamou de uma possível interferência externa no Brasileiro de 2015. Marcos Júnior marcou contra a Chapecoense, os jogadores comemoraram e, quando estavam voltando para a partida ser reiniciada, o árbitro Raphael Claus anulou o gol alegando toque no braço. Muita chiadeira do lado tricolor, derrotado por 2 a 1.

2015 – Chapecoense x Palmeiras

Aos 15 minutos do primeiro tempo, Egídio fez desarme na bola em William Barbio, mas o árbitro Jailson Macedo Freitas viu falta e acabou expulsando o defensor alviverde. Minutos depois, o quarto árbitro chamou o trio para conversar e avisou que eles haviam cometido um erro – o palmeirense não havia cometido falta. Para desespero do torcedor catarinense presente no estádio, o juiz baiano voltou atrás. Só que Egídio já estava no vestiário. Foi preciso chamar o atleta para retornar a campo.

2015 – Figueirense x Santos

O primeiro de dois gols de Gabriel anulados no duelo entre Santos e Figueirense, no estádio Orlando Scarpelli, pela Copa do Brasil, gerou polêmica. O auxiliar Alessandro Rocha Matos, que no primeiro momento correu para o centro do campo, indicou impedimento após conversa com o árbitro Anderson Daronco e o gol foi invalidado depois de comemoração e times posicionados para o recomeço da partida. A contestação santista é pela demora da sinalização. O atacante do Peixe teve tempo de subir no alambrado, comemorar com a torcida e somente depois Daronco anulou o gol.

2015 – Figueirense x Atlético-MG

O zagueiro Leonardo Silva fez questão de parabenizar o árbitro paulista Marcelo Aparecido de Souza, que voltou atrás na decisão de expulsá-lo após errar na interpretação de um lance. A bola bateu na barriga do capitão do Galo dentro das quatro linhas, mas, inicialmente, o juiz havia apitado falta fora da área. Diante da reclamação ostensiva de Léo Silva, o árbitro acabou o expulsando. Mas, depois de conversar com os auxiliares, decidiu anular o cartão vermelho.

Fonte: GloboEsporte.com