Apagão, “Fora, Eurico” e brigas: São Januário tem mais uma noite de tumulto

ais uma vez São Januário viveu um dia de tumulto. Diferentemente da derrota para o Corinthians, dessa vez não foi um placar adverso que desencadeou a confusão nas arquibancadas. Mas sim um apagão dos refletores aos 13 minutos do primeiro tempo da vitória do Vasco por 1 a 0 sobre o Avaí, neste sábado, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro 2017.

Assim que as luzes se apagaram, um coro “Fora, Eurico” tomou, em peso, o estádio. Inflamados pelo clima político a quatro meses das eleições no clube, torcedores pró e contra o presidente começaram a se desentender na arquibancada localizada atrás de um dos gols, onde ficam duas torcidas organizadas, que possuem opiniões diferentes a respeito de Eurico Miranda. Houve brigas e corre corre. Um clarão logo foi aberto nas arquibancadas. Com medo do tumulto, alguns pais levantaram crianças nos braços e as entregaram para pessoas que estavam nos camarotes.

A Polícia Militar entrou em ação e chegou a disparar alguns tiros de bala de borracha para dispersar os torcedores que brigavam. Por causa da abordagem, parte da torcida também entoou gritos contra a PM.

Minutos depois, bastaram gritos de “Ah, é Edmundo” para um novo princípio de confusão. Tratava-se de uma provocação política: o ex-jogador, ídolo vascaíno, apoia Julio Brant, candidato a presidência em grupo de oposição a Eurico Miranda.

A iluminação foi retomada, e a partida reiniciada 27 minutos depois. Os policiais formaram uma barreira no setor onde ocorreu o tumulto e observaram de perto as torcidas organizadas até o fim da partida.

Após a partida, o técnico do Vasco, Milton Mendes, saiu em defesa de Eurico Miranda:

– Lamentável. Nosso presidente é um homem que trabalha muito. Entra 8h e sai 1h da manhã, dá a vida por todos nós. Acho injusto. Não sei o que acontece, se são contra, eu não sei porque, mas eu sei o que se passa no dia a dia. Sempre que precisamos de alguma coisa, vou lá na sala dele e ele está lá. Acho que o Vasco tem que ser unido, tem que ser um só. Senão, fica enfraquecido. Fiquei triste – disse o treinador, na coletiva de imprensa após o jogo.

Segundo o delegado Bruno Henrique, um torcedor chegou a ser levado para o Juizado Especial Criminal (Jecrim) de São Januário por causa do tumulto, mas foi liberado logo em seguida. Outro machucou o pé na confusão, foi atendido pelo departamento médico do clube e passa bem. Houve apenas uma pessoa detida, mas não em razão da confusão, mas por porte de entorpecentes (maconha). O delegado da partida converteu a detenção em multa de R$ 300,00.

Palco da confusão na partida contra o Corinthians, a social não teve registro de tumulto. Recentemente a direção do Vasco restringiu o acesso ao local, que estava mais vazio neste sábado do que nos jogos anteriores. Após o apito final, parte do público gritou “Fora, Eurico” mais uma vez. No entanto, não houve mais confrontos, e os torcedores saíram tranquilamente do estádio.

Fonte: GloboEsporte.com